Andrea Carla Doré

Possui graduação em Comunicação Social pela Universidade Federal do Paraná (1990), mestrado em Histoire et Civilisations – Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales (1995), mestrado em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília (1996) e doutorado em História Social pela Universidade Federal Fluminense (2002). Atualmente é professora do Departamento de História da Universidade Federal do Paraná, nas áreas de Teoria da História e História Moderna. Suas pesquisas se voltam para o Império Português, com ênfase nos seguintes temas: Expansão portuguesa no Oceano Índico, fortificações, conflitos militares e religiosos e cartografia portuguesa.

 

Projetos em Andamento:

2010 – Atual: Cartografia dos domínios. Os espaços portugueses na União Ibérica

Descrição: Esta pesquisa pretende identificar o papel ocupado pelas possessões portuguesas – às margens do Oceano Índico e o que até então era conhecido e explorado no Brasil – no conjunto dos levantamentos cartográficos feitos durante a União Ibérica. A produção cartográfica realizada neste período é entendida aqui como uma forma de conhecer os territórios e a partir daí viabilizar sua proteção e dominação. Neste sentido, identifica-se o uso político e administrativo que Filipe II e seus sucessores fizeram dessa produção. Interessa ainda analisar em que medida os mapas da costa e as vistas de cidades e fortalezas apontam para a construção de uma unidade pela qual em cada um desses espaços se concretizam anseios, senão projetos civilizadores, marcadamente de base católica.
Financiador(es): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior.

2009 – Atual: A Imagética Portuguesa: do Renascimento à contemporaneidade

Descrição: Sendo as representações e a sua simbólica um dos elementos coordenadores e identificadores de culturas e identidades, visa este Projecto contribuir para um melhor conhecimento da imagética portuguesa desde os alvores dos tempos modernos. Para alcançar esses objectivos propõe-se: – Inventariar e organizar, de forma operatória, segundo linhas de interrogação que o fundamentam e a partir de materiais em diferentes suportes, as representações geradas e utilizadas na tradução de sentires e de ideais comuns; – analisá-las no contexto da sua produção e descodificar discursos veiculados (em evolução e metamorfose) nos espaços de intervenção portuguesa; – perceber ritmos, modelos e particularidades, num trabalho colectivo pluri e interdisciplinar e de pesquisa comparada. Conta com investigadores da História social e cultural, das instituições e da arte, de estudos linguísticos e literários, da espiritualidade e das artes visuais. Com a integração de investigadores em formação investe num diálogo estimulador de saberes e de inovações.

2008 – Atual: Práticas da vitória: punição e incorporação dos vencidos no Império Português (séculos XVI-XVII)

Descrição: Este projeto de pesquisa visa identificar e compreender as diferentes práticas de punição dos grupos derrotados, assim como as formas de incorporação de elementos desses grupos adotadas pelos vencedores durante diferentes fases da expansão portuguesa com ênfase nos espaços asiáticos, entre os séculos XVI e XVII. Parte-se da consideração de que a prática da vitória respondeu a diferentes elementos, de ordem simbólica e material.