A Psicopatologia Fundamental

A Psicopatologia Fundamental[¹] e a Fênix


A proposta da Psicopatologia Fundamental se baseia na visão psicanalítica de homem, a saber, um ser psicopatológico. Este ser humano se constitui a partir da catástrofe da época glacial, mitologia proposta por Freud no manuscrito recém-descoberto “Neurose de transferência: uma síntese”[²]. Funda-se também na filosofia grega do pathei matos de Ésquilo, sobre o ensinamento proveniente da dor.

 

Sendo a catástrofe um constituinte do ser humano, inclui-se aí a questão da dor e a do sofrimento.

 

O termo “psicopatologia” é composto por três palavras de origem grega psyché, pathos e logos e, portanto, vem a ser um discurso (logos) sobre o sofrimento (pathos) psíquico (psyché), enquanto o termo “fundamental” se refere a uma fundamentalidade científica.

 

A tarefa da Psicopatologia Fundamental é abrir um fórum de discussões que interaja com outras disciplinas que também tenham algo a pronunciar sobre o pathos do homem, para que se questione as bases e pressupostos dessas diversas metapsicologias que discursam acerca do fenômeno do psicopatológico. Isso é necessário para que se possa, então, apreender como esse sujeito psicopatológico lida com o sofrimento que o constitui enquanto ser humano.

 

E é nesse sentido que o ser humano pode ser comparado à Fênix: pois, como a Fênix que renasce a partir de sua própria morte, o ser humano ressurge cotidianamente de seu sofrimento fundante.

_

[1].   Ceccarelli, P.R. (2005). O sofrimento psíquico na perspectiva da Psicopatologia Fundamental. Psicologia em Estudo, v. 10, n. 3, p. 471-477. Maringá. Link de acesso

[2].   Freud, S. (1987) Neurose de Transferência: uma síntese (Manuscrito Recém-Descoberto). Rio de Janeiro. IMAGO