Área de concentração e linhas de pesquisa

Áreas de pesquisa

O Programa tem como área de concentração o “Ensino de Filosofia”.

Suas linhas de pesquisa são: Filosofia e Ensino e Prática de Ensino de Filosofia.

 

Filosofia e Ensino


Com a designação “Filosofia e Ensino”, indica-se a tendência de estudos, que visam o esclarecimento e o aprofundamento da ampla variedade histórica de interações entre aspectos conceituais e aspectos técnicos envolvidos no ensino da disciplina, quer sejam aqueles estudos que enfatizam mais a expansão das fronteiras da Filosofia na sua adequação ao universo de referência do ensino médio, quer sejam aqueles que enfatizam os estudos sobre as diversas possibilidades de concepções, atividades e procedimentos no ensino da disciplina. São contemplados aqui os estudos sobre os aspectos históricos do ensino de filosofia, sobre as diferentes concepções sobre o ensino de filosofia, sobre os aspectos institucionais do ensino de filosofia, e, naquilo que cabe em um viés teórico-prático, os estudos, propostas, avaliações sobre didática da filosofia, sobre as suas mais variadas formas, fundamentos do ensino de filosofia, processos de avaliação em Filosofia e, por último, mas não menos importante, estudos curriculares voltados para a disciplina.

 

Prática de Ensino de Filosofia


Com a designação “Práticas de Ensino de Filosofia” indicamos a tendência daqueles trabalhos que se colocam mais na investigação teórico-prática da proposição, análise e avaliação daquilo que está em realização, efetiva ou possível, na prática de ensino, tanto nos seus aspectos formais, no ambiente escolar, como nos seus aspectos informais, para além da sala de aula, com vistas a sua ampliação e seu aperfeiçoamento.São contemplados aqui os estudos e pesquisas, que visam, de algum modo, passar pelo crivo do cotidiano interno e externo ao ambiente escolar, no contexto das mais variadas formas de transdisciplinaridade e de transculturalidade. Isso inclui um amplo conjunto de experimentações na área de elaboração e avaliação de materiais didáticos, de novas metodologias de ensino, de processos de avaliação na disciplina, de análise conceitual de relatos de caso, de propostas de renovação curriculares, sempre tendo em vista o contexto cultural, social e político brasileiro contemporâneo.