Disciplina:

Políticas Públicas

Professores Responsáveis:

Prof. Dra. Samira Kauchakje;

Ementa:

Correntes teóricas da Ciência Política sobre o Estado e o estudo de políticas públicas. Modelos de análise de políticas públicas. Explicações sobre políticas públicas considerando as instituições políticas e a cultura política. Políticas públicas setoriais.

Objetivos:

Possibilitar a discussão sobre políticas públicas com base em textos alinhados à teoria política contemporânea. Permitir relações teóricas entre teorias sobre o Estado e a análise de suas políticas. Reflexão sobre instituições políticas e cultura política brasileira como elementos que compõem a explicação sobre o processo decisório, modelagem e caracterização de políticas públicas, especialmente, de políticas setoriais.

Conteúdo Programático:

UNIDADE I: Correntes teóricas sobre o Estado e políticas públicas: pluralismo elitista; neomarxismo; neoinstitucionalismo da escolha racional e neoinstitucionalismo histórico.

UNIDADE II: Modelos de análise de políticas públicas: ciclo deliberativo e tipos de políticas públicas.

UNIDADE III: Explicações sobre políticas públicas setoriais sob o prisma das instituições políticas e da cultura política: regime político, sistema eleitoral, federalismo.

 

Bibliografia obrigatória

ARRETCHE, Marta. Federalismo e igualdade territorial: uma contradição em termos?. Dados, 2010, vol.53, no.3, p.587-620.

BLOCK, Fred. The Ruling Class Does Not Rule: Notes on the Marxist Theory of the State (chap. 3); e Beyond Relative Autonomy: State Managers as Historical Subjects (chap. 5). In: _____. Revising State Theory: Essays in Politics and Postindustrialism. Philadelphia, Temple University Press, 1987, p. 51-68; e p. 81-96.

CAPELLA, Ana Claúdia N. Perspectivas teóricas sobre o processo de formulação de políticas públicas. BIB, n. 61, 2006 pp 25-52.

DAHL, R. (1961) Who governs? Democracy and Power in an American City. New Haven: Yale University Press, 1961, pp. 1-8, 89-103, 223-228, 271-275.

DAHL, Robert A. Um prefácio à teoria democrática. RJ, Jorge Zahar, 1989, cap. 4.

DAHL, Robert. Uma crítica do modelo de elite dirigente. In: VVAA. Sociologia Política II. Rio de Janeiro: Zahar, 1970, p. 90-100

DOW NS, Anthony. Uma teoria econômica da democracia. São Paulo: EDUSP. 1999. Introdução; Cap. 2,  Cap. 3 , Cap. 4

DYE, Thomas. Mapeamento dos modelos de análise de políticas públicas. in Políticas públicas e desenvolvimento pp.99/128

FARIA, Carlos A. P. de. “Idéias, conhecimento e políticas públicas: um inventário sucinto das principais vertentes analíticas recentes”. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, vol.18, no.51, p 21-9, fev. 2003

HALL, Peter A.; TAYLOR, Rosemary C. R.. As três versões do neo-institucionalismo. Lua Nova,  São Paulo,  n. 58, 2003.

HILL, Michael J. The policy process in the modern state. Harlow: Prentice Hall, 1997 . Partes IV e V

LOWI, Theodore. (1972). “Four Systems of Policy, Politics and Choice”. Public Administration Review, 32: 298-310

MARCH, James G; OLSEN, Johan P. Neo-institucionalismo: fatores organizacionais na vida política. Rev. Sociol. Polit.,  Curitiba,  v. 16,  n. 31, Nov.  2008 .

MILLS, C. W Right. Em defesa de A elite do poder. In: FERNANDES, Heloísa (org.). Wright Mills. São Paulo: Ática, 1985, Coleção Grandes Cientistas Sociais nº 48, p. 147-163.

MILLS, C. Wright. A elite do poder. 4ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1981, Cap 1, 2 e 12.

MOISES, José Álvaro. “Cultura Política, Instituições e Democracia – lições da experiência brasileira”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Vol. 23, n. 66, p.11-44, fev. 2008.

NORTH, D. Instituciones, cambio institucional y desempeño económico. México, Fondo de Cultura Económica, 1993.

OFFE, Claus. Dominação de classe e sistema político: sobre a seletividade das instituições políticas. In: _____. Problemas estruturais do Estado capitalista. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1982, p. 140-177

OSTROM, Elinor. Rational Choice Theory and Institutional Analysis: Toward Complementarity. American Political Science Review, v. 85, no. 1, mar. 1991.

POULANTZAS, Nicos. Poder político e classes sociais. Rio de Janeiro, Martins Fontes. 1986. pp. 119‐137; 224 a 247.

PRZEWORSKI, A.; CHEIBUB, J. A.; LIMONGI, F. Democracia e cultura: uma visão não culturalista. Lua Nova, n. 58, p. 9-35, 2003.

SKOCPOL, Theda. Bringing the state back in: strategies of analysis in current research.  In: Evans, P.; Ruesschmeyer, D. e Skocpol, T. (org.). Bringing the state back in. Cambridge: Cambridge University  Press. 1985

SOUZA, Celina. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, nº 16, jul/dez 2006, p. 20-45

 

Bibliográfia complementar

ARAÚJO, Ângela M. C.; TÁPIA, Jorge R. B. Corporativismo e Neocorporativismo: Exame de Duas Trajetórias. BIB – Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 32, no. 32, p. 3-30, 1991.

ARRETCHE, M. Relações federativas nas políticas sociais. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80, p. 25-48, set. 2002.

ARRETCHE, Marta T.S, 1998. “Tendências nos Estudos sobre Avaliação”, in: RICO, Elizabeth Melo (org.). Avaliação de Políticas Sociais: Uma Questão em Debate”. São Paulo, Cortez.

ARRETCHE, Marta. Uma contribuição para fazermos avaliações menos ingênuas. In: BARREIRA, Maria Cecília; CARVALHO, Maria do Carmo Brant (Orgs.). Tendências e perspectivas na avaliação de políticas e programas sociais. São Paulo: IEE/PUC,2000. p. 45-54

BAERT, Patrick. Algumas limitações das explicações da escolha racional na Ciência Política e na Sociologia. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, vol. 12, no. 35, fev. 1997.

HILL, Michael J.; HUPE, Peter L. Implementing public policy: an introduction to the study of operational governance. Los Angeles: SAGE, 2009.

HIRSCH, Joachim. ¿Qué significa Estado? Reflexiones acerca de la teoría del Estado capitalista. Rev. Sociol. Polit., Jun. 2005, no. 24, p.165-175.

IMMERGUT, Ellen M. The Theoretical Core of the New Institutionalism. Politics & Society, vol. 26,n. 1, March 1998, p. 5-34.

KAUCHAKJE, Samira. Esquerda e direita importam: partidos políticos e valores de vereadores sobre direitos sociais. Civitas, Porto Alegre, v. 12, n. 2, p. 236-261, maio-ago. 2012

LENHART, G. E OFFE, C. (1984) “Teoria do Estado e Política Social. Tentativas de explicação político-sociológica para as funções e os processos inovadores da política social” In: OFFE, C. Problemas estruturais do Estado capitalista. Rio de Janeiro, tempo Brasileiro.

LINDBLOM, Charles Edward. O processo de decisão política. Brasília: Universidade de Brasilia, 1981.

LOWI, Theodore. American Business, Public Policy, Case-Studies, and Political Theory. World Politics, vol. 16 no. 4, p. 677-715, 1964.

MELO, Marcus André. O Sucesso Inesperado das Reformas de Segunda Geração: Federalismo, Reformas Constitucionais e Política Social. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, Vol. 48, no 4, 2005, pp. 845 a 889.

NORTH, Douglass. Institutions, institutional change and economic performance. Cambridge University Press.

OLSON, Mancur. A lógica da ação coletiva. São Paulo: EDUSP, 1999. Cap. 1

PRZEWORSKI, Adam. A última instância. As instituições são a causa primordial do desenvolvimento econômico? Novos Estudos, São Paulo, nº 72, julho de 2005.

SABATIER, P. AND WEIBLE, C. The advocacy coalition framework: innovations and clarifications. In: Sabatier, P. (org.). Theories of the policy process. Cambridge: Westview, 2007.

STEINMO, Sven, THELEN, Kathlen e LONGSTRETH, Frank. (eds.). Structuring Politics: Historical Institutionalism in Comparative Analysis. Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

SKOCPOL, Theda. Why I Am an Historical Institutionalist. Polity, v. 28, no. 1, p. 103-106, 1995.

SKOCPOL, Theda. Protecting Soldiers and Mothers: The Political Origins of Social Policy in the United States. Cambridge: Harvard University Press, 1995.

SOUZA, Celina. Governos locais e gestão de políticas sociais universais. São Paulo Perspec.,  São Paulo,  v. 18,  n. 2, June  2004

TSBELIS, George. Em defesa do enfoque da escolha racional. In: Jogos Ocultos –Escolha racional no campo da política comparada. São Paulo: EDUSP, 1998, p. 33-56. Cap. 2.