Menu

Apresentação


É com imensa satisfação que o Grupo de Pesquisa em Sociologia da Saúde – CNPq/UFPR apresenta um pouco da história do Grupo de Pesquisa e das Jornadas de Sociologia da Saúde que acontecem anualmente no âmbito da Universidade Federal do Paraná.

A Sociologia da Saúde é uma área do saber relevante, não só para o campo acadêmico, mas principalmente para aqueles que se dedicam ao exercício das práticas no campo da saúde e aos cuidados da população humana. Neste sentido, desde 2005, o Grupo de Pesquisa em Sociologia da Saúde (CNPq/UFPR), formado por professores, pesquisadores e alunos da Pós-Graduação de Sociologia da UFPR, vem desenvolvendo estudos relacionados aos diversos níveis de complexidade no atendimento à saúde e à doença, pelo SUS, contribuindo com a produção de conhecimentos para profissionais que atuam neste campo do saber.

A realização de Jornadas é de grande importância para o Programa de Pós-graduação em Sociologia, à medida que professores e alunos deste e de outras universidades estarão discutindo a visão sociológica e seus avanços para o campo da Medicina e da Saúde. A finalidade deste intercâmbio de conhecimentos também é de divulgar o conhecimento produzido, mas de integrá-los à produção realizada em outros Programas de Pós-Graduação.

 O trabalho realizado no âmbito do Programa de Pós-Graduação da UFPR, na área da Sociologia da Saúde, produziu 18 dissertações de Mestrado e, com a implantação do Doutorado em 2004, conta com 4 teses de Doutorado defendidas e 4 teses em andamento. O Grupo de pesquisa já contabiliza 3 livros publicados e mais 3 livros no prelo, com lançamento previsto para agosto, além de vários artigos em periódicos científicos.

O programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPR tem somado esforços conjuntamente com outros Programas de Pós-Graduação (UFBA, UFPE, UFRGS) para o desenvolvimento da Sociologia da Saúde como área de conhecimento.

Em 2007 o Grupo de Pesquisa em Sociologia da Saúde apresentou a I Jornada de Sociologia da Saúde sobre o tema “Subjetividade e Complexidade na Saúde e na Doença”, com a participação do Prof. Dr. Paulo César Borges Alves.

No ano de 2008, a II Jornada de Sociologia da Saúde discutiu os 20 anos de existência do SUS, contando com a presença da Profa. Dra. Soraya Maria Vargas Cortes da UFRS e da Profa. Dra. Maria Cecília de Souza Minayo da Fundação Oswaldo Cruz.

Em 2009, a III Jornada de Sociologia da Saúde discutiu a interdisciplinaridade no processo saúde-doença, com a participação do Prof. Dr. Gastão Wagner de Sousa Campos da UNICAMP que abordou a temática: “Saúde ampliada e compartilhada: interdisciplinaridade  possível e necessária” e da Profa. Dra. Madel Therezinha Luz da UERJ, responsável pelo tema “Paradigmas em Saúde e Racionalidades Médicas”.

Em 2010, a IV Jornada de Sociologia de Saúde discutiu o tema: Epidemias, Estado e Sociedade, com a participação da Profa. Dra. Anny Torres da UFMG que falou sobre “As repercussões sociais e as representações das epidemias tomando como ponto de inflexão a Gripe de 1918” e do Prof. Dr. Gilberto Hochmann da FIOCRUZ que abordou “O papel do estado (e as políticas públicas) nas epidemias”.

A V Jornada de Sociologia de Saúde realizada em 2011 teve como tema “Saúde, Cultura e Política” e contou com a presença da Profa. Dra. Sandra Caponi da UFSC que falou sobre “Biopolítica e a crítica ao humanismo moderno” e da Profa. Dra. Cynthia Sarti da UNIFESP que abordou o tema “Corpo e Violência: entre o Direito e a Saúde”.

A diversidade dos trabalhos apresentados, assim como as palestras e mesas redondas demonstram o crescimento e a importância dos debates que o Grupo de Pesquisa em Sociologia da Saúde tem se dedicado.

Neste ano de 2012, a VI Jornada de Sociologia da Saúde se propõe a discutir a formação e a prática em saúde na perspectiva das ciências sociais.

As discussões sobre a formação médica colocam a dificuldade apresentada pelas faculdades de medicina, por exemplo, em estabelecer a distinção entre a formação geral do médico e a formação do médico generalista. Como tem sido observada em estudos clássicos sobre a formação médica, a introdução do ensino de especialidades já na graduação, ou a fragmentação dos conteúdos didáticos, faz com que a discussão formativa, ou seja, aquelas disciplinas que tem a função de manter a linha mestra do curso, fique perdida em meio a uma discussão ideológica a respeito do profissional a ser formado, ou melhor, sobre o papel social deste profissional.

A introdução de disciplinas como sociologia e antropologia se fez desassociada das outras disciplinas curriculares e apresentam menor influência no ensino médico, pois a compreensão da causalidade social da doença, não implica negar a necessidade de curá-la.

Outro obstáculo enfrentado nas mudanças dos cursos em saúde é derivado da própria organização universitária, onde os departamentos têm práticas isoladas e com frequência, os departamentos ligados à formação generalista apresentam fraturas conceituais em relação aos demais departamentos especializados e à categoria médica de um modo geral.

 O indicado e o desejável em termos de qualificação profissional, que além da educação formal pressupõe uma prática de interação e troca de informações com colegas de profissão, obtenção constante de informações sobre fármacos e procedimentos em sua área de atuação, treinamento em novas técnicas de aplicação, além da necessária relação médico-paciente, encontra além das dificuldades estruturais inerentes à sociedade, como custo, tempo, disponibilidade de acesso a informações e coleguismo, alguns problemas que podem ser identificados desde a formação da graduação.

Então, se por um lado, a formação médica preconiza um ideário de atuação profissional do ponto de vista teórico, por outro, a prática cotidiana do estudante lhe coloca numa situação oposta. Além disso, não é possível esquecer a realidade da rede de saúde brasileira, que não oferece as condições necessárias para o atendimento adequado à população. Assim, a construção do profissional efetuada pelas escolas médicas e pelos hospitais-escola introduz no futuro profissional algumas barreiras ao relacionamento humano que acentuam elementos comumente vistos como arrogância e excesso de autoconfiança.

Assim, o estudante de medicina vive uma situação paradoxal. O ensino diz que o paciente deve ser acolhido e ter suas queixas investigadas, mas a realidade dos hospitais e postos de saúde leva a uma prática de minimizar e até dispensar pacientes que necessitem de atendimento, e essa tarefa cabe muitas vezes ao estudante de medicina que tem o papel de convencer o paciente que seu problema não é grave ou que ele deve procurar outro serviço de saúde.

Diante deste cenário, a VI Jornada de Sociologia da Saúde contará com a presença dos palestrantes prof. Dr. Octavio Andres Ramon Bonet (UFRJ) e prof. Dr. Ricardo Burg Ceccim (UFRGS) que trarão suas experiências e fomentarão a discussão sobre a formação e a prática na saúde.

Desejamos a todos um bom trabalho e que mais uma vez este evento possa ser um marco de uma visão crítica voltada para diferentes práticas na assistência à saúde, além de incentivo a realização de pesquisas nesta área.

 

Grupo de Pesquisa em Sociologia da Saúde UFPR/CNPq

Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Universidade Federal do Paraná
Setor de Ciências Humanas
Grupo de Pesquisa em Sociologia da Saúde
Rua General Carneiro, 460
sociologiasaudeufpr@gmail.com
CEP: 80.060-150 - Curitiba - Paraná - Brasil

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Ciências Humanas
Grupo de Pesquisa em Sociologia da Saúde
Rua General Carneiro, 460
sociologiasaudeufpr@gmail.com
CEP: 80.060-150 - Curitiba - Paraná - Brasil

Imagem logomarca da UFPR

©2017 - Universidade Federal do Paraná - Grupo de Pesquisa em Sociologia da Saúde

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR